Entrevista: Paisagista Luciana Brandão

Luciana_brandao-perfilHoje vamos conhecer um pouquinho da Arquiteta Paisagista Luciana Brandão, que atua na região de Curitiba/PR há 27 anos, desenvolvendo projetos de paisagismo e arquitetônicos. Luciana também dá aulas no Curso Livre de Paisagismo do Solar do Rosário, junto com seu irmão, Arnaldo Brandão, engenheiro agrônomo e também paisagista. Além de ser paisagista, nossa entrevistada também toca violino, e inclusive já foi musicista profissional. Ela explica que atualmente o violino torna-se boa companhia para fazer a criatividade fluir novamente em momentos de bloqueio: “Tocar sempre nos leva para outro momento.”

– Qual a sua formação e quando e porque você decidiu seguir a carreira de paisagista?
Sou formada em arquitetura e como comecei em 1987 trabalhando em construtoras na área de projeto arquitetônico me incomodava muito a falta de cuidados com as áreas externas nos empreendimentos em geral. Este incomodo virou uma grande vontade de fazer. No começo fazia como um projeto extra o cliente nem me contratava para fazer o paisagismo mas oferecia as soluções para as áreas externas como algo a mais. Mais tarde com a chegada de meu irmão que acabara de formar-se em agronomia juntamos conhecimentos e interesses e passamos a entender o paisagismo como nosso foco central de trabalho.

projeto2
– Como é o seu processo criativo? Como você organiza as etapas do Projeto Paisagístico?
Acredito que um bom caminho para o acerto do projeto é primeiramente saber ouvir o cliente. Coletar seus sonhos que vão ser o início da inspiração. É importante também fazer uma boa coleta de dados no terreno onde irá ser implantado. Sol, sombra, umidade, condições dos ventos e também o diálogo com a arquitetura e todas as pessoas que vão viver o lugar. No mais é somar o que temos de bagagem e de pesquisa sempre procurando atender aos pedidos. Acredito que a vida de paisagista é uma grande aventura onde cada projeto parece ser algo novo a ser explorado e resolvido, as variações são infinitas! Temos um caminho sem fim de possibilidades. Outra coisa que temos que ter em mente é o vínculo que podemos proporcionar entre os moradores e o jardim: é o nosso maior legado.

projeto3– Quais plantas você costuma usar em seus projetos com mais frequência?
Difícil responder com absoluta certeza qual espécie! Nos últimos tempos tenho gostado muito de inserir plantas nativas e muito rústicas. Mas não existem regras rígidas. Posso dizer que no jardim da minha casa algumas são as minhas preferidas: caliandra, marantas, orelha de elefante, setecrésias, primavera, cavalinha e gerânio cheiroso.

– Como o clima temperado de Curitiba e arredores, sujeito a geadas no inverno, influencia no seu trabalho?
Uma vez em um congresso de paisagismo, uma paisagista do nordeste comentou comigo como gostaria de trabalhar no sul para poder inserir plantas de altitude e de climas mais frios! Existem plantas muito adequadas e de efeitos belíssimos, onde o florescimento é mais intenso aqui em nossa região como as glicínias o sino dourado e o jasmim dos poetas.

– Nessa cidade, que é considerada uma referência em arquitetura e urbanismo, com estilos diversos e prédios ousados, quais os desafios de se trabalhar o paisagismo?
Acredito que o maior desafio é o de criar uma cultura de pensar o projeto antes da execução. É como ir a uma farmácia e sair comprando medicamentos sem antes ter consultado o médico. Muitas vezes o cliente chega e a primeira pergunta é o quanto vão custar as plantas, o quanto ele vai ter que investir em execução e etc. Mas não pensa que o projeto vai poder dar soluções que viabilizam o jardim no tempo e no custo da implantação.

– Você é uma profissional super antenada com as últimas tendências em sustentabilidade. Como essa preocupação com o meio ambiente transparece em seus projetos?
As questões de energia e água não vão mais sair das nossas pautas diárias. O paisagismo pode auxiliar criando um micro clima de entorno a moradia. Ele auxilia nas questões térmicas dos edifícios, ocasionando economia. Os jardins sobre laje também são grandes aliados para criação de conforto e de proteção mecânica. Além do mais um jardim pode ser produtivo. Criamos áreas de horta e pomares sem a utilização de agrotóxicos. Outra questão é a do lixo orgânico. Procuramos sempre que possível inserir composteiras para produção de composto que poderá ser aproveitado no próprio jardim.

projeto1

– Sob o seu ponto de vista, como a atual conjuntura política no Brasil, afeta o setor de Jardinagem e Paisagismo?
A inflação está novamente visitando o país. Penso que é uma visita inoportuna mas passageira. Da mesma forma que está afetando a construção civil está afetando o setor de paisagismo por fazermos parte desta cadeia.

– E para finalizar, o que você acha que o profissionais da área podem fazer para amenizar ou reverter essa situação?
Pensar o projeto junto com o cliente fica ainda mais importante. Reduzir etapas sem comprometer o resultado final da criação é uma das possibilidades. Pode-se também através de um bom planejamento, prever a execução em etapas, inserir quantidades menores de vegetação sem comprometer a execução e o desenvolvimento do jardim. Temos que ser criativos!

Profissional: Luciana Brandão – arquitetura e paisagismo
http://www.lucianabrandao.com.br/
Soluções Integradas para Ambientes Externos – CAU-31336-0
Endereço: Rua Doutor Nelson Lins d’Albuquerque, 110 – Sala 3, Bom Retiro –  Curitiba/PR
Telefone: (41)3338-6607 e 3338-7789

Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.