Mãe-de-milhares – Kalanchoe daigremontiana

Mãe-de-milhares, também conhecida como aranto, é uma planta herbácea, suculenta, originária de Madagascar na África que chama a atenção por seu efeito ornamental e valor medicinal. À primeira vista pode parecer com uma planta comum com cores diferenes, mas olhando mais de perto, podemos ver por que ela faz tanto sucesso entre os colecionadores. Ela produz centenas de pequenos brotos ao longo da borda das folhas, que ao se desprenderem, facilmente se desenvolvem em novas plantas. Possui caule ereto que pode atingir até 1 metro de altura. Suas folhas são opostas, estreitas, pontiagudas, serrilhadas, suculentas, de formato oblongo a lanceolado e com comprimento entre 15 a 20 centímetros. A cor das folhas pode variar bastante, entre o verde, o creme e o cinza na face superior e uma quantidade maior ou menor de manchas roxas na face inferior. Ao longo das margens das folhas, ela produz uma organizada fileira de pequenos brotos, que podem emitir raízes antes mesmo de se destacarem da planta. As folhas pesadas da parte superior do caule podem fazer com que a planta se curve e assim, ao tocar o solo, raízes adventícias surgem, desenvolvendo um novo caule ereto, e desta forma, crescendo uma nova planta independente.

Foto de A Yee
Sua floração não é anual, mas esporádica. O caule principal se alonga bem acima da folhagem, desenvolvendo uma inflorescência terminal, do tipo cimo, em forma de guarda-chuva com pequenas flores com forma de sino de cor rosa acinzentada ou laranja. Observa-se que em climas com diferenças sazonais distintas de temperatura a floração é mais frequente. Plantas de varanda ou interior que foram movidas para dentro por causa da estação fria, começaram a floração no início do inverno.

A mãe-de-milhares é uma planta ornamental incomum. Ela tem um aspecto exótico que remete a filmes de ficção científica. Seu porte pode ser facilmente controlado com o plantio em vasos e jardineiras. Plantas permanecem com pequeno porte em vasos pequenos, e se desenvolvem mais em vasos grandes ou plantadas diretamente em canteiros no jardim. No paisagismo, seu aspecto curioso pode ser ainda mais valorizado quando plantada em jardins de pedra, com inspiração desértica, e em amplos canteiros contemporâneos, cobertos com pedriscos, valorizando suas cores.

Que tal ganhar dinheiro fazendo o que mais ama?

Jardinagem e Paisagismo

Se você adora estar entre as plantas e sujar as mãos de terra como eu, pode transformar a sua vida agora mesmo através da profissionalização. Seja feliz hoje, não deixe para depois.

Foto de Annelis
Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia-sombra, em substratos próprios para cactos e suculentas, leve, arenoso, perfeitamente drenável e enriquecido com matéria orgânica. A irrigação deve ser esparsa, permitindo que o substrato seque entre as regas. As regas assim devem ser mais frequentes na primavera e verão e bastante reduzidas no outono e inverno. Como muitas suculentas, a mãe-de-milhares não tolera encharcamentos, que levam ao rápido apodrecimento das raízes. Assim, evite utilizar pratos sob os vasinhos ou substrato pesado, com dificuldade de drenagem. Não suporta frio intenso, com neves ou geadas. Multiplica-se facilmente por estaquia das folhas e do caule e por sementes, além de ser uma planta vivípara, que gera espontaneamente novas mudas no entorno, através da separação dos pequenos brotos que crescem ao longo das folhas.

Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.

Medicinal:

  • Indicações: câncer, ferimentos de pele, problemas de estômago, gastroenterite, diarréia, trombose, ansiedade, depressão, amigdalites, faringites, reumatismo
  • Propriedades: imunosupressivo, anti-inflamatório, adstringente, anti-coagulante, antibiótico, antiviral, fungicida, sedativa, cicatrizante, alteração da função muscular
  • Partes Utilizadas: folhas

Alerta:

Todas as partes da planta são muito tóxicas, pois contém uma potente substância neurotóxica, cardiotóxica e miotóxica, a daigremontianina, que pode provocar a morte de pessoas ou animais de forma aguda ou crônica, dependendo da dosagem. Seu uso como medicinal deve ser realizado sempre por orientação médica. Ela também pode se tornar invasiva em determinadas situações.