Lonícera – Lonicera nitida

 Lonicera nitida, Madressilva-de-jardim, Buxinho-madressilva

Foto: SB Jonnhy

A Lonícera é uma planta arbustiva, monóica, perenifólia e muito ramificada, de folhas miúdas, com textura fina e delicada. Nativa da China, ela é parente próxima da trepadeira Madressilva, apesar de serem tão diferentes no aspecto geral. Os ramos crescem em camadas sobrepostas, e inicialmente recobertos de folhas em toda extensão. O formato natural da planta é de arredondado a piramidal. As folhas são verdes-escuras na espécie típica, opostas, ovaladas a lanceoladas e diminutas. Há muitas cultivares comerciais, com plantas de folhagem variegada, prateadas, outras com porte anão, mas o destaque maior é para uma de folhas cor amarelo vibrante, a ‘Bageson’s gold’, bastante frequente em cultivo. As flores são de cor branco creme, tubulares, perfumadas e surgem aos pares no final da primavera. O fruto raramente aparece nas cultivares modernas e é uma baga azulada, não comestível.

No jardim, a lonícera pode ser utilizada isolada, em conjunto com outras espécies, ou em linhas, formando bordaduras e renques. Há quem prefira submete-la a podas, e ela se adapta com facilidade a trabalhos topiários e jardins formais, outros preferem lhe dar liberdade para um caráter mais informal, solto, com efeito igualmente denso. É uma planta ideal para substituir o já tradicional buxinho e principalmente o colorido pingo-de-ouro, que não se adapta a algumas situações. Apresenta crescimento rápido a moderado e tolera sombreamento parcial. É bastante procurada também para a prática do Bonsai. Devido ao seu crescimento vigoroso, pode-se coletar uma planta já velha do jardim, e podar-lhe à forma de bonsai, para obter em pouco tempo o efeito de árvore miniaturizada.

Que tal ganhar dinheiro fazendo o que mais ama?

Jardinagem e Paisagismo

Se você adora estar entre as plantas e sujar as mãos de terra como eu, pode transformar a sua vida agora mesmo através da profissionalização. Seja feliz hoje, não deixe para depois.

Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia sombra, em qualquer tipo de solo, desde que seja drenável e enriquecido com matéria orgânica. Convém protegê-la de locais muito frios. Não tolera encharcamento por período prolongado. Após bem estabelecida, a lonícera torna-se resistente à poluição e estiagem. Apesar de tolerar meia sombra, ela fica esparsa, perdendo sua característica compacta nestas situações. Para um formato bem denso, além de sol pleno, convém podá-la de tempos em tempos, o que ajuda também a controlar e orientar seu crescimento. Fertilize bimestralmente durante o período de crescimento. Multiplica-se por estaquia.

Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.

Conte-nos sua experiência sobre o assunto deste artigo

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.