Coqueiro-de-vênus – Cordyline fruticosa

 Cordyline fruticosa, Fiteira, Lírio-palma, Cordiline-verde, Cordiline, Dracena, Peregum, Peregum-roxo

Foto: Mokkie

Variedades de Cordyline fruticosa. Foto de Forest e Kim Starr
O coqueiro-de-vênus, apesar do nome e do aspecto, não é de fato um coqueiro. Da família Asparagaceae, ele é parente próximo de Dracenas e Aspargos. É originário do sudeste asiático, Papua Nova Guiné, Melanésia, nordeste da Austrália, além das Polinésias e outras ilhas do Oceano Índico. Por seu efeito decorativo, acabaram conquistando jardins tropicais do mundo todo, e hoje podem ser encontrados em muitas variedades além da espécie típica original. De textura lenhosa e porte arbustivo, apresenta geralmente apenas um tronco ou poucas ramificações, e lindas folhas, muito brilhantes, coriáceas e largas, de cor verde, vermelho ou roxo, em cores sólidas ou com variegações de branco, amarelo, rosa e vermelho. A inflorescência, do tipo panícula, surge nos indivíduos adultos, em qualquer época do ano, despontando pequenas e delicadas florzinhas amarelas ou róseas, delicadamente perfumadas. Os frutos que se formam são do tipo baga, que tomam a cor vermelha quando maduras.

Há muitas cultivares de coqueiro-de-vênus, selecionadas por sua folhagem. Entre estas podemos citar a ‘Firebrand’, talvez uma das mais populares, de folhas vermelho arroxeadas; a ‘Tricolor’, com folhas marcadas de verde, rosa e amarelo-creme; a ‘Amabilis’ com folhas ovais e largas, pintalgadas de rosa e branco; a ‘Baptisii’, com folhas recurvadas e marcadas de rosa e amarelo; a ‘Black Mystique’, de cor roxa intensa, quase preta; e a ‘Hawaian Bonsai’, com folhas carmesim e que não ultrapassa um metro de altura.

Detalhes da inflorescência. Foto de Cliff
Uma folhagem deslumbrante e que acrescenta uma deliciosa sensação tropical ao jardim, assim podemos caracterizar o uso paisagístico do coqueiro-de-vênus. As cores vibrantes e diferentes, são perfeitas para adicionar belos contrastes o ano todo. Pode ser utilizado em densos renques e maciços, em jardins tropicais e contemporâneos. E até mesmo isolada, como um ponto focal, ou em conjunto com outras espécies. É muito frequente o uso envasada, como folhagem, adornando ambientes internos bem iluminados, como residências, escritórios e shopping centers.

Os polinésios e havaianos desenvolveram muitas formas de utilizar o coqueiro-de-vênus, além de seu uso como ornamental. Os rizomas da planta são ricas em amido, e utilizadas como alimento. As folhas servem para uma infinidade de usos, desde cobertura de casas, passando pela confecção de vestimentas típicas (hulas), bebidas alcólicas, e até mesmo como “papel higiênico”.

Detalhe dos frutos. Foto de Forest e Kim Starr
Devem ser cultivadas sob sol pleno ou meia sombra, em solo fértil, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente. Esta espécie tolera o frio e a salinidade de regiões litorâneas. As variedades coloridas ficam mais bonitas e com cores mais vivas se cultivadas sob sol pleno. Não resiste a estiagem ou baixa umidade do ar, no entanto, não pode ser encharcada, sob pena de adoecer as raízes. Ressente-se em ambientes com ar condicionado. Preferencialmente irrigar com água livre de flúor (use água da chuva ao invés de água da torneira), que causa manchas em suas folhas. Aplique fertilizantes durante o período de crescimento, mas cuide para que o fertilizante não atinja as folhas. Multiplica-se facilmente por estaquia, além de brotos que surgem espontaneamente direto do rizoma, entorno da planta mãe, preservando assim as características da cultivar. A reprodução por estaquia é realizada mediante o corte de segmentos maduros do caule da planta, postos a brotar em substrato mantido úmido, sob sombra filtrada. Após a brotação, é realizado um corte na região brotada e replantada em vasos para o enraizamento. A reprodução por sementes é mais rara, e resulta em indivíduos muitas vezes diferentes da planta mãe. A taxa de germinação é alta e leva de um a três meses para se completar.

Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.

Alerta:

Pode se tornar invasiva em algumas situações.