Sua dose diária de jardinagem no whatsapp - 100% Grátis Participar do Grupo

Colar-de-rubi

Crassothona capensis

Raquel Patro

Atualizado em

Crassothona capensis - Colar-de-rubis

O Colar-de-rubi, conhecido cientificamente como Crassothonna capensis (anteriormente denominado Othonna capensis), é uma planta suculenta pendente que fascina por sua beleza única e fácil cultivo. Endêmico da África do Sul, especificamente das regiões áridas do Cabo Oriental, incluindo a área do Little Karoo e as proximidades da costa até cerca de Uitenhage. A espécie se adaptou a viver em altitudes que variam de 20 a 1220 metros acima do nível do mar. Seu habitat natural é caracterizado por planícies rochosas e secas, onde a planta se beneficia da proteção parcial oferecida pela vegetação arbustiva e pelas rochas circundantes.

O nome do gênero pode ser dividido em duas partes: o prefixo “Crasso-” deriva do latim “crassus“, que significa “grosso” ou “gordo” aludindo à natureza suculenta das folhas da planta. “thonna” é uma referência ao gênero original, Othonna, ao qual a planta foi previamente atribuída. O nome Othonna vem do grego antigo ὄθοννα e do latim othone, e significa “pano de linho”, em referência ao aspecto felpudo de algumas das espécies dentro deste gênero.

Colar-de-rubi, uma planta de efeito lúdico para a decoração de interiores.
Colar-de-rubi, uma planta de efeito lúdico para a decoração de interiores.

Já o epíteto específico “capensis” indica a origem geográfica da planta, sendo derivada da região da Província do Cabo, na África do Sul. A mudança de gênero de Othonna para Crassothonna foi proposta por Nordenstam et al., baseada em estudos filogenéticos que destacaram diferenças significativas entre Crassothonna capensis e outras espécies dentro do gênero Othonna.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

De crescimento rasteiro ou procumbentes, os caules do colar-de-rubi são marcados por sua coloração púrpura avermelhada, especialmente quando expostos a luz direta do sol. Seus ramos são flexíveis, altamente ramificados, tornando-se lenhosos na base, principalmente nas plantas mais velhas. Eles têm a capacidade de enraizar nos nós, emitindo raízes adventícias, o que facilita a propagação vegetativa da planta e sua fixação. A textura dos ramos é glabra, e a ramificação abundante suporta a formação de uma cobertura densa quando cultivada como forração.

As folhas do colar-de-rubi são um verdadeiro espetáculo visual. De formato cilíndrico e cor verde-azulada, assemelham-se a pequenos pepinos. Essas folhas suculentas são dispostas alternadamente ao longo dos caules, podendo adquirir tonalidades avermelhadas quando expostas ao sol pleno, o que lhe valeu o nome de colar-de-rubi. A textura é suculenta, contribuindo para a capacidade da planta de reter água, uma característica vital para a sobrevivência em seu habitat natural árido. As folhas medem aproximadamente 1 a 2 cm de comprimento e são ligeiramente sulcadas, com um ápice que se torna vermelho em condições de seca.

Como se não bastasse as curiosas folhas gordinhas, as flores do colar-de-rubi são bastante atrativas. Elas surgem profusamente, principalmente da primavera ao outono, em regiões temperadas, mas pode florescer quase o ano todo em climas mais tropicais a subtropicais. As inflorescências são do tipo capítulo, e aparecem solitárias ou em pares, com flores que abrem apenas sob a luz do sol. Elas são amarelas e se assemelham a margaridas, surgindo no topo de hastes delgadas que se elevam ligeiramente acima da folhagem. Essas flores contrastam de maneira encantadora com a coloração das folhas e dos caules, proporcionando um espetáculo visual quando em floração.

Além disso, as flores são bastante atrativas para abelhas e outros polinizadores. Após a floração, as flores se transformam em pequenos “tufos” brancos, que abrigam as sementes prontas para serem dispersas. Os frutos que se seguem são do tipo aquênio, e podem ser glabros ou levemente peludos. Esses frutos são típicos da família Asteraceae, adaptados para a dispersão pelo vento, o que facilita a propagação natural da espécie.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Quando estressada por fatores ambientais, o Colar-de-rubi adquire lindas tonalidades avermelhadas.
Quando estressada por fatores ambientais, o Colar-de-rubi adquire lindas tonalidades avermelhadas.

A Crassothonna capensis é altamente valorizada por sua capacidade de adicionar textura, cor e forma únicas aos espaços. Seja em vasos, jardins rochosos, canteiros de suculentas, bordaduras ou como forração, o colar-de-rubi oferece uma aparência exuberante, lúdica e colorida que poucas plantas podem igualar. Além disso, sua natureza resistente à seca a torna ideal para o xeriscaping, uma abordagem do paisagismo, que busca o baixo consumo de água.

Em jardins rochosos e canteiros de suculentas, a Crassothonna capensis brilha com suas folhas suculentas, verde-jade, que se tornam tingidas de vermelho sob condições de estresse, criando um contraste visual impressionante. As flores amarelas, semelhantes a margaridas, que brotam em hastes esbeltas, adicionam um toque de cor, atraindo polinizadores e adicionando interesse ao jardim.

O colar-de-rubi também é excepcionalmente eficaz como forração, embora ainda pouco utilizada para esse fim, formando um tapete denso e colorido que suprime ervas daninhas, reduz a erosão do solo e minimiza a necessidade de manutenção. Sua capacidade de se espalhar rapidamente e formar uma cobertura compacta a torna uma escolha singular para preencher espaços vazios no jardim, oferecendo uma solução tanto prática quanto bela em áreas livres de tráfego ou pisoteio.

A Crassothonna capensis é também uma candidata ideal para terrários e jardins verticais, onde seu hábito pendente e folhas coloridas podem ser exibidos de maneira próxima ao olhar dos espectadores. E para os adeptos do Urban Jungle, que não dispensam plantas na decoração de interiores, mesmo em espaços limitados, o colar-de-rubi é uma escolha acertada. Quando cultivada em vasos ou jardineiras, esta planta adapta-se bem ao ambiente doméstico, que geralmente tem baixa umidade, desde que receba luminosidade adequada. Sua natureza pendente faz dela uma escolha perfeita para cestas e jardineiras suspensas, onde as cascatas de folhas suculentas e flores podem ser apreciadas.

Os tons bronzeados do colar-de-rubi são estontantes.
Os tons bronzeados dessa suculenta pendente são estontantes.

O colar-de-rubi prospera sob pleno sol ou meia-sombra. Uma exposição solar direta é crucial para quem deseja obter e intensificar a coloração púrpura de seu caule e folhas, embora seja importante proteger a planta com uma tela de sombreamento nas horas mais quentes do dia, principalmente em clima tropical, para evitar queimaduras. Em ambientes internos, deve ser posicionada próxima a janelas que ofereçam luz abundante, preferencialmente voltadas para o norte, leste ou oeste.

Prefere solos bem drenados e neutros, sendo tolerante a solos pobres. Um substrato comercial próprio para o cultivo de cactos e suculentas, disponível no mercado, ou uma combinação caseira de terra vegetal de boa qualidade e areia grossa em partes iguais, proporciona a drenagem necessária. A adição de húmus de minhoca, tortas vegetais ou bokashi deve ser mínima, uma vez que esse materiais tendem a reduzir a porosidade do substrato e elevar muito sua fertilidade, o que não é desejável para essa espécie.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Ao escolher seus recipientes, prefira vasos rasos e largos, aos altos e profundos, para favorecer a drenagem. Pelas mesmas razões, verifique e melhore a furação dos vasos se necessário, e evite o uso de pratinho sob os mesmos. É crucial evitar o encharcamento, pois o excesso de umidade pode levar à podridão das raízes.

Durante a primavera e o outono, as regas devem ser moderadas, permitindo que o solo seque completamente entre as regas. No inverno e auge do verão, recomenda-se reduzir significativamente a frequência das regas. A planta demonstra uma notável resistência à seca, adaptando-se bem a períodos de baixa umidade. Suas folhas gordinhas perdem a turgidez quando desidratadas, se tornando macias ao toque e até mesmo murchas quando sedentas ao extremo.

Leve em consideração que o período de dormência do colar-de-rubi é no auge do verão, quando está muito quente e a intensidade luminosa bastante alta. A dormência, no entanto, se manifesta mais em climas com estações bem marcadas, e é reduzida ou passa despercebida em climas amenos ou quentes durante todo o ano.

O colar-de-rubi é resistente a uma ampla faixa de temperaturas, mas prefere condições mais quentes. É capaz de suportar temperaturas frias até cerca de -12°C, desde que protegida da umidade excessiva. Em regiões com invernos rigorosos, é aconselhável cultivá-la em vasos que possam ser levados para interiores protegidos ou estufas. Para manter uma aparência bonita e saudável, remova regularmente as flores secas e faça podas ocasionais para controlar o crescimento e melhorar o arejamento, evitando a proliferação de pragas. Uma adubação leve e completa, com fertilizantes líquidos próprios para suculentas, ou mesmo adubos de liberação lenta, favorece seu crescimento, floração e cores vibrantes. O colar-de-rubi tolera a proximidade com regiões litorâneas e a salinidade das maresias, desde que não seja muito intensa.

O colar-de-rubi não precisa ser apenas planta pendente em vasos, ela se presta como uma excelente forração e bordadura.
O colar-de-rubi não precisa ser apenas planta pendente em vasos, ela se presta como uma excelente forração e bordadura. Foto de KM

Observar atentamente e com regularidade seu colar-de-rubi é necessário para prevenir ataques de pragas como cochonilhas, que podem se aproveitar de ramos excessivamente densos. A prevenção passa por manter a planta saudável, com as práticas de cultivo corretas, e por inspeções regulares, removendo manualmente as pragas ou utilizando inseticidas, como o álcool isopropílico, quando necessário. A aplicação de terra de diatomáceas tanto nas folhas quanto no substrato favorece o fortalecimento da planta e previne o aparecimento de pragas.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A multiplicação do colar-de-rubi pode ser realizada por sementes, estaquia ou mergulhia. A estaquia dos ramos saudáveis é o método mais fácil, sendo idealmente realizada no início da primavera. Cortes de caules saudáveis podem ser preparados, deixando-os secar por um ou dois dias à sombra para cicatrizar o corte e prevenir infecções. Posteriormente, os ramos podem ser plantados em substrato próprio para germinação, mantendo a umidade constante até que novas raízes se formem. Para isso, basta deitar os ramos sobre o substrato e pulverizar diariamente com água. A propagação por estaquia é rápida, permitindo que novas plantas se desenvolvam em poucas semanas.


Já pensou em abrir a porta de casa e dar de cara com um jardim espetacular que parece ter saído diretamente de uma revista? Seja sincero, quem não queria?

E aí, já tá imaginando o upgrade que seu jardim vai ganhar? Cada vez que você botar a mão na terra e ver o resultado crescendo e florindo, vai sentir aquela satisfação de "puxa, eu que fiz!". "101 Técnicas de Jardinagem Explicadas" não é só um livro, é tipo um melhor amigo pra quem ama plantar e cuidar.

Bom, com o eBook 101 Técnicas de Jardinagem Explicadas, esse desejo pode virar realidade, e acredite, mais fácil do que você imagina. Tá começando do zero ou já tem a mão meio verde? Não importa! Este guia foi feito pensando em todo mundo. Aqui dentro, você vai achar mais de 600 páginas cheias de ilustrações que falam por si só, com instruções detalhadas que vão desde o básico até o avançado. Já pensou em quanta coisa nova você vai aprender e aplicar aí no seu cantinho verde?

Quer ter a alegria de comer frutas que você mesmo plantou? Ou que tal ver flores que mais ninguém tem, colorindo seu jardim e perfumando sua casa? Pois é, esse eBook entrega isso e muito mais. Bora dar esse passo e transformar seu espaço ao ar livre num verdadeiro oásis particular? Pega seu exemplar agora e vamos nessa jornada juntos! E aí, preparado pra ver seu jardim virar capa de revista?

Oferta por tempo limitado!

DE R$ 59,90 POR APENAS

R$ 19,90 à vista

Sobre Raquel Patro

Raquel Patro é paisagista e fundadora do site Jardineiro.net. Desde 2006, ela desenvolve conteúdos especializados em plantas e jardins, pois acredita que todas as pessoas, sejam amadores ou profissionais, devem ter acesso a conteúdos de qualidade. Nerd de carteirinha, ela gosta de livros, ficção científica e tecnologia.