Calibrachoa – Calibrachoa x hybrida

 Calibrachoa x hybrida, Mini-petúnia, Mil-sinos, Falsa-petúnia

Foto: Rašo

A calibrachoa é uma planta herbácea e florífera, originária da América do Sul e que apesar de perene, tem uma vida breve. Ela é muito semelhante à Petúnia (Petunia x hybrida), sendo aparentada com essa outra espécie e originária do mesmo habitat.

Calibrachoa de flores dobradas. Foto de Serres Fortier
Muitas vezes, tantas semelhanças geram confusão na sua identificação. No entanto, recentemente foi cientificamente elucidado que estas duas espécies diferenciam-se pelo número de cromossomos e mecanismos reprodutivos. O cruzamento entre as duas espécies é possível, gerando o gênero híbrido Petchoa, muito vigoroso e de flores grandes.

De ramagem densa e ramificada, que se espalha e é muitas vezes pendente, a calibrachoa forma um pequeno arbusto de aspecto arredondado e baixo que geralmente não ultrapassa 30 centímetros de altura, mas dependendo da cultivar pode formar arbustos com até 50 centímetros. Suas folhas são inteiras, simples, elípticas a espatuladas, pubescentes e de cor verde. As flores tem formato de trompete ou sino, como petúnias, só que menores. Elas vem em uma enorme gama de cores e combinações, de degradeés, a estriadas e salpicadas, de acordo com a cultivar. Também podem ser simples ou dobradas. As flores são bastante atrativas para abelhas e beija-flores. Os frutos que se formam após a polinização são do tipo cápsula, com sementes diminutas. Eles são raros nas plantas híbridas, e mais comuns nas espécies nativas.

A calibrachoa tem se tornado cada vez mais e mais popular, principalmente após a criação dos híbridos “Million Bells“, nos Estados Unidos, que elevaram o status da planta e fazem sucesso nos Garden Centers do mundo todo. São plantas maravilhosas para plantar em vasos, jardineiras e principalmente em cestos pendentes.

Foto de Jean Luc
Elas podem ser utilizadas em maciços ou bordaduras, em cultivos de cores sólidas, misturadas ou mesmo em conjuntos com outras plantas, sempre com um efeito muito vistoso e colorido. O efeito de “cascata” que produz a torna uma excelente escolha de espécie para ser admirada na altura do olhos, como no coroamento de muros e taludes por exemplo. Seu crescimento é rápido e a manutenção consiste no beliscamento dos ponteiros durante o crescimento, para adensamento da planta, além de uma poda para remoção das flores velhas no fim do verão, estimulando assim uma nova floração. Se bem manejada pode florescer da primavera ao outono.

Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia sombra, em solo fértil, bem drenável, enriquecido com composto orgânico e irrigado regularmente, permitindo que o solo seque superficialmente entre as regas. Tolera geadas leves, curtos períodos de estiagem e calor. Apesar de perene, é geralmente cultivada como anual ou bienal, pois perde a beleza e o vigor com o tempo, necessitando replantio. Ela necessita de boas quantidades de fertilizantes, sendo recomendado misturar adubos orgânicos, juntamente com adubos de liberação lenta e algum fertilizante líquido durante o período de crescimento e florescimento, sem excessos, mas com fornecimento constante. Multiplica-se por estaquia de ponteiros e sementes, postas a germinar ou enraizar no outono, e que permanecem em estufas durante o inverno, para iniciar a floração já na primavera.

Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.