Cacto-triangular – Acanthocereus tetragonus

O cacto-triangular é uma espécie colunar, que por vezes se comporta como trepador e outras vezes como arbustivo. Ele é nativo de regiões costeiras, assim como matagais arenosos e secos do sul da América do Norte, América Central, Caribe e norte da América do Sul. No Brasil, uma cultivar da espécie se tornou bastante popular: O Acanthocereus tetragonus “Fairytale Castle”, uma variação monstruosa da espécie, que apresenta crescimento miniaturizado e compacto, formando um desenho piramidal. Seus ramos são de cor verde-escura, e apesar do nome, podem apresentar não apenas três, mas quatro ou cinco faces. Eles são desprovidos de folhas, e tem aréolas acinzentadas, espaçadas a cada 2 a 6 centímetros.

Flor do Cacto-triangular
Flor do Cacto-triangular. Foto de Barry Hammel
Os espinhos tem disposição radial, em número de 6 a 8 por aréola, e entre 1 a 4cm de comprimento cada. As flores são raras de se ver em cultivo. Ele floresce à noite, despontando lindas flores brancas a esverdeadas, com o centro alaranjado a vermelho. Nuvens de insetos são atraído pelas flores, o que torna ainda mais difícil a sua visualização na natureza. Depois de polinizado, ele forma um fruto vermelho, oblongo, comestível e doce, de cerca de 5 centímetros de diâmetro, com numerosas sementes pretas, lembrando uma pequena Pitaia (Hylocereus sp).
Fruto do Cacto-triangular
Fruto do Cacto-triangular. Foto de Barry Hammel
No jardim este cacto é muito versátil, podendo ter diversas funções. A planta original pode ser conduzida como uma trepadeira ornamental, enfeitando pátios, varandas, etc. Além disso, forma impenetráveis cercas-vivas se cultivadas para esta finalidade, com podas para estimular sua ramificação. De fácil cultivo, é extremamente rústica, não necessitando regas frequentes ou adubações pesadas. Não somente o fruto, mas os ramos jovens da planta também são comestíveis e podem ser preparados crus ou cozidos como vegetais. Assim, podemos consumí-lo em saladas, ensopados, patês, com farofa, e muitas outras opções, de acordo com a criatividade. Os viveiristas tem especial predileção por esta espécie por ser uma excelente opção como porta-enxerto, sendo considerada uma das melhores.
Cacto-castelo-de-fada
Cacto-castelo-de-fada (Acanthocereus tetragonus “Fairy Castle”. Foto de Raquel Patro
Deve ser cultivada sob sol pleno, em solo arenoso, leve e enriquecido com matéria orgânica. Resistente ao calor e ao frio de até -7°C. Irrigue a intervalos espaçados, não permitindo que a planta fique encharcada. Se cultivada em vasos, pode se beneficiar da meia sombra, mas recebendo pelo menos 6 horas diárias de sol, condição esta que encontramos próximo a uma janela de face norte por exemplo. Você pode utilizar o mesmo substrato leve e aerado utilizado para suculentas nesta espécie. Não coloque a planta em vaso sobre um pratinho, pois a água empoçada lhe será prejudicial, promovendo o apodrecimento rápido das raízes da planta. Fertilize de forma leve, com uma colherinha de café de fertilizante de liberação lenta, como Osmocote, ou utilize um fertilizante próprio para cactos. Reduza as regas e suspenda a fertilização no inverno. Multiplica-se facilmente por estaquia, destacando-se os ramos preferencialmente pela base com a ajuda de um estilete. Deixe os ramos secarem por 24 horas para que cicatrizem e plante logo em seguida em substrato próprio. A planta que é cultivada sem apoio em ambiente aberto emite ramos decumbentes que enraizam quando tocam no solo. Assim, você também pode se aproveitar desta mergulhia natural para formar novas mudas da planta.

Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.

Alerta:

1. Manuseie este cacto com luvas grossas, pois seus espinhos podem ferir. 2. Muitos vendedores cravam flores secas nestes cactos para comercializá-los. Não se engane, essas flores não são verdadeiras e ferem os cactos, deixando uma porta aberta para infecções e pragas.