Bambu-japonês – Pseudosasa japonica

O bambu-japonês ou bambu-metake, como também é conhecido, é uma espécie ornamental, de textura semi-lenhosa e porte arbustivo, nativo do Japão e da Coréia. Ele é um bambu do tipo entouceirante, que forma densas touceiras sobre um forte rizoma. Apresenta colmos eretos a ligeiramente recurvadas, finos, cilíndricos, de cor verde e com bainhas persistentes. As hastes atingem de 2 a 4 metros de altura. Suas folhas são lanceoladas a lineares, acuminadas, brilhantes, verde-escuras na página superior e glaucas na inferior. As folhas do bambu-japonês são grandes se comparadas a outras espécies de bambu ornamentais. Raramente floresce, o que pode ocorrer em qualquer época do ano, despontando inflorescências do tipo panícula, compostas por pseudoespiguilhas, com flores hermafroditas e polinizadas pelo vento.

Harum.Koh
Detalhe das folhas. Foto de Harum.Koh
No paisagismo, o bambu-japonês demonstra grande versatilidade e invariavelmente cria uma atmosfera zen e tropical. Ele pode ser utilizado isolado, como destaque, ou em grupos, formando pano de fundo para outras espécies. É bastante interessante também seu uso em renques, na forma de cercas-vivas de aspecto tanto informal, como formal, através de podas de formação. As cercas-vivas bem densas de bambu-japonês são excelentes para contenção de barulho e poeira, além de formarem uma perfeita barreira visual, conferindo privacidade aos espaços. Vai muito bem em vasos, podendo decorar tanto áreas externas, como interiores bem iluminados. É um dos bambus mais resistentes à salinidade dos ventos marítmos, sendo ideal também para o litoral. Há que se cuidar apenas em conter a planta aos canteiros, através de anteparos subterrâneos, pois pode se tornar invasiva em determinadas situações.

Deve ser cultivado sob sol pleno ou meia sombra, em qualquer tipo de solo, mas preferencialmente fértil, drenável, eriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente. Originário de clima temperado, o bambu-metake é ideal para as áreas serranas, onde outras espécies de bambu, mais tropicais, perecem. Com o tempo, alguns colmos ficam velhos e secos, dando um visual um tanto abandonado à touceira. Neste caso, a remoção destas hastes, devolve o aspecto viçoso à planta. Multiplica-se por divisão de rizomas e touceiras.

Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.

Conte-nos sua experiência sobre o assunto deste artigo

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.