Como fazer seu próprio composto orgânico – 1º parte

A compostagem é a transformação da matéria orgânica bruta, num produto facilmente assimilável pelas plantas, através de um processo eficiente de decomposição executado por microorganismos. O composto orgânico dá a possibilidade de cultivar plantas saudáveis e fortes, sem ter que recorrer a fertilizantes químicos.

Para produzir seu próprio composto, você não necessita de uma grande área. O tamanho mínimo ideal para uma pilha de composto orgânico é de 1 metro cúbico. Se tiver menos do que isto, a pilha poderá não acumular calor suficiente, energia essencial para que o processo se desenvolva de maneira satisfatória. Para produzir seu próprio composto, você não necessita usar estercos.

Para ter manter uma horta orgânica ou jardim saudáveis você vai necessitar apenas de uma pequena quantia de composto orgânico. Seria impossível este cultivo sem o retorno da matéria orgânica ao solo. Quando o solo é coberto pelo composto, você esta colocando uma grande quantidade de matéria orgânica. Este material vai estimular e desenvolver os microorganismos benéficos do solo, que irão lentamente liberar nutrientes para as plantas, dando a elas aquilo que necessitarem. Além disso, o composto também altera a estrutura do solo, deixando ele mais arejado, permeável e com boa capacidade de retenção de água. Assim, o ambiente físico para o crescimento das raízes também é favorecido pela adição do composto. Um solo argiloso e pesado fica mais permeável, assim como um solo arenoso torna-se mais capaz de reter água e nutrientes.

Folhas Secas são uma excelente fonte de carbono. Foto de Bruno Eduardo S. Martins
Todos os restos orgânicos, sejam eles vegetais, animais ou fúngicos, se decompõem, servindo para a compostagem. Uns mais lentamente e outros mais rapidamente. O equilíbrio na proporção entre estes tipos de materiais é fundamental. No entanto, alimentar os microorganismos decompositores é mais fácil do que você imagina. Os microorganismos necessitam, para sua manutenção e crescimento, de materiais ricos em energia, como os carboidratos, e em nitrogênio, como as proteínas. Os demais, como sais minerais e outros nutrientes, são um brinde.

Todo material verde, tenro e fresco é rico em proteínas, como por exemplo, a grama recém roçada, brotos, cascas de frutas, restos de comida. Da mesma forma, as tortas oleaginosas como a torta de mamona, de soja, de algodão, etc também são. No entanto, os materiais mais ricos em nitrogênio são os materiais de origem animal, como estercos, urina, farinha de sangue, de chifre e de ossos. Ainda assim, é perfeitamente possível equilibrar um composto sem produtos de origem animal, basta equacionar bem com os vegetais deste grupo.

Os materiais ricos em energia são geralmente, aqueles secos e fibrosos, que contém muita celulose e lignina, eles nada mais são do que carboidratos complexos de origem vegetal e desta forma ricos em carbono, como as folhas secas, palhas, serragem, galhos, aparas, papel, etc.

Para fazer um bom composto, rico em nutrientes, esta proporção de nitrogênio (proteínas) e carbono (carboidratos complexos) deverá estar o mais correto possível. Para isto, deverá ser utilizado a relação carbono/nitrogênio. O ideal para os microorganismos seria uma relação de 30/1 (trinta partes de carbono para uma de nitrogênio). Os microorganismos usam três partes de carbono, e eliminam duas partes, daí a relação final do composto ser 10/1. Quando esta relação for acima de 30/1, o processo fica muito mais demorado. Abaixo de 30/1, o nitrogênio se perde para o ambiente e pode até poluir.

Para um melhor entendimento, uma pilha de serragem (alta relação c/n) demora a se decompor, isto porque há deficiência de proteínas. Um pilha de grama decompõem-se rapidamente pois a relação c/n esta abaixo de 30/1. Neste caso, há falta de materiais energéticos (fontes carbono). A maior parte do excesso de nitrogênio é eliminada sob a forma de amônia, provocando uma pilha de compostagem muito mal cheirosa.

No próximo artigo veremos uma receita simples para você começar sua primeira compostagem.

Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.

Conte-nos sua experiência sobre o assunto deste artigo

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *