Oídio

  • Nome Científico: Oidium
  • Nomes Populares: Oídio, Cinza, Mancha-branca, Mufeta, Doença-da-cinza
  • Ordem:
  • Classe:
  • Filo:
  • Reino:
  • Partes Afetadas: , ,
  • Sintomas: Pontos ou manchas pulvurulentas na cor branca ou cinza, sobre as folhas, flores e frutos; queda das flores, queda dos frutos, rachadura nos frutos,

Compartilhe:

Dá-se o nome de oídio às doenças de plantas causadas pelos fungos da família Erysiphaceae. A grande maioria deles são parasitas obrigatórios e causadores de doenças em diferentes espécies de plantas.

Eles apresentam um micélio superficial que extrai nutrientes da planta hospedeira através de hifas que penetram nas células da epiderme do hospedeiro por meio de órgãos de absorção chamados haustórios.

Os sintomas do oídio são fáceis de identificar. Inicialmente aparecem pontos brancos ou cinzentos, pulvurulentos e irregulares sobre as folhas, caules, flores ou frutos. Estes pontos vão aumentando e confluindo, formando grandes manchas. O aspecto geral é de que caiu farinha sobre os órgãos afetados. As folhas de baixo e as mais novas costumam ser atacadas primeiro. Com o passar do tempo folhas, flores e frutos caem, os frutos racham, a planta enfraquece e pode até morrer.

O oídio é transmitido rapidamente com o vento e através de insetos vetores, como pulgões. Ele pode atingir diversas culturas, entre essas, as mais comumente afetadas são as de uvas, gramíneas, tomate, abóbora, pepino, melão, cajú, feijão, morango, manga, mandioca, amendoim, mamão, etc. Ele afeta também plantas ornamentais, tais como rosas, zínias, liláses, flox, hortênsia, érica, begônia, ciclame, azaléias, margaridas, crisântemos e ciprestes, entre outros. É importante salientar que as espécies de oídio são geralmente específicas, atacando somente uma espécie e talvez algumas outras poucas plantas relacionadas, ou seja, o oídio que ataca o tomate não ataca a margarida, mas o que ataca a abóbora pode atacar também morangas e melões (ambas cucurbitáceas).

O oídio permanece dormente nos órgãos vegetais e na matéria orgânica durante o inverno, iniciando seu crescimento na primavera e verão, devido as altas temperaturas.

Previna e controle o oídio destruindo as folhas, ramos, flores e frutos afetados, mesmo que estes já tenham caído. Faça compostagem, enterre ou queime. Assim, ao destruir os esporos, eliminam-se os novos focos da infecção. Mantenha as plantas sempre nutridas e hidratadas na medida certa. Faça as fertilizações com regularidade, porém sem excesso e não deixe a planta passar por estresse hídrico, o que parece estar relacionado com o surgimento da doença. Mantenha as plantas arejadas, com espaçamento adequado, bem iluminadas e evite também regar em excesso, encharcar as plantas, ou manter o pratinho sob o vaso. É preciso um cuidado especial em estufas quentes e úmidas, onde este tipo de doença se espalha e se desenvolve rapidamente.

Você também pode escolher cultivares e variedades de plantas que são resistentes ao oídio, principalmente se o problema é recorrente no seu terreno.

Pulverizações de soluções aquosas de enxofre, bicarbonato (1 colher de chá por litro) ou leite de vaca cru (5%) mostram-se bastante eficientes na prevenção e até mesmo no controle da doença. Além disso, estes elementos são muito mais baratos se comparados com fungicidas comerciais e tem impacto ambiental menor também.

Alguns fungicidas comerciais utilizados no controle do oídio em plantas ornamentais são myclobutanil, difenoconazole, ciflufenamida, meptildinocape, azoxistrobina, proquinazida, penconazol, tebuconazole, triticonazole, triadimefon, propiconazole e fenarimol. Não utilize fungicidas sem a prescrição e orientação de um engenheiro agrônomo ou florestal, eles são produtos muito tóxicos e podem provocar grandes prejuídos para a saúde e o meio ambiente.

Compartilhe:
Raquel Patro

Raquel Patro é editora do site Jardineiro.net e uma pessoa totalmente fascinada pela natureza, principalmente por plantas e jardins. Criou o site Jardineiro.net para disseminar sua paixão, contagiando novos adeptos e entusiasmando os antigos.

Publicado em Pragas e Doenças

Newsletter

Receba grátis as novidades
do Jardineiro.net no seu e-mail

Seja nosso fã

Visite o perfil de Jardineiro.net no Pinterest.