Trapoeraba-peluda – Siderasis fuscata

 Siderasis fuscata, Orelha-de-urso, Violeta-silvestre, Toca-de-aranha-marrom

Foto: Cliff

A trapoeraba-peluda é uma planta herbácea, monóica, rizomatosa e tropical, que se destaca pela folhagem ao mesmo tempo curiosa e ornamental. Ela forma rosetas compactas e apresenta folhas ovaladas, acuminadas, suculentas, muito hirsutas, de cor verde escura, com um faixa central prateada. A página inferior das folhas é arroxeada e a pilosidade que recobre toda a planta é de cor marrom a avermelhada, o que lhe confere um contraste interessante e uma textura única. Floresce geralmente no verão, despontando inflorescências do tipo panícula, no centro da planta. Suas flores são trímeras e efêmeras, como é comum na família Commelinaceae, elas ainda apresentam a cor violácea. O fruto que se segue é do tipo cápsula. As pequenas hastes florais, quando secas, se assemelham a aranhas marrons escondidas sob a folhagem, o que lhe rendeu o estranho nome de “toca-de-aranha-marrom”.

A trapoeraba-peluda é mais comumente conduzida em vasos e jardineiras, na ornamentação de interiores bem iluminados. É ideal para jardins de inverno, iluminados por uma clarabóia por exemplo, compondo com outras plantas de áreas semi-sombreadas ou em maciços. Apesar disso, também pode ser plantada diretamente no jardim externo, sendo excelente como forração ou bordadura em locais com luz filtrada pela copa das árvores. Quando recebe luz excessiva, tende a formar rosetas ainda mais densas, com folhas curtas e acavaladas. Exige pouca manutenção que restringe-se a remoção das folhas mortas e secas e adubação semestral, recompondo a matéria orgânica do solo. Seu crescimento é lento a moderado.

Deve ser cultivada preferencialmente sob luz filtrada, em substrato fértil, rico em húmus e irrigado regularmente. Aprecia o calor e umidade tropicais. Não tolera o frio intenso ou geadas, mas como geralmente é cultivada em interiores, pode vegetar em locais de clima subtropical e temperado, sempre protegida. Multiplica-se por divisão da planta.

Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.

Conte-nos sua experiência sobre o assunto deste artigo

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *