Sálvia – Salvia officinalis

A sálvia é uma planta subarbustiva, de folhas muito aromáticas, nativa da região do mediterrâneo e conhecida desde a antiguidade por suas propriedades como planta condimentar, medicinal e ornamental. Apresenta hastes eretas, quadrangulares, ramificadas e recobertas por tricomas curtos. Elas são inicialmente herbáceas e se tornam lenhosas com o passar do tempo. Suas folhas são elípticas a oblongas, sésseis no ápice dos ramos e pecioladas na parte inferior, com a superfície rugosa, pilosa e de cor verde acinzentada na espécie típica. O aroma das folhas é pungente e percebido mesmo sem amassá-las. Atualmente há disponíveis cultivares de maior ou menor porte, assim como grande variedade de folhas, entre variegadas, arroxeadas, rosadas, crespas, etc. Há cultivares com aromas muito diversos, próprios para temperos, e outras com belíssimas florações, ideais para o paisagismo. Floresce no final da primavera e no verão, despontando flores labiadas, em grupos de três nos verticilos, e elas podem ser de cor lilás, branca, rosa ou azul. As cultivares de sálvia condimentar muitas vezes não florescem ou tem floração discreta.

Sálvia 'Variegata'. Foto de Centro Ciência Viva da Floresta
Salvia officinalis ‘Variegata’. Foto de Centro Ciência Viva da Floresta

De sabor amargo e pungente, a sálvia é uma erva condimentar do tipo “ame ou odeie”. Ainda assim, mesmo que na primeira vez você não tenha apreciado muito seu aroma e sabor, tente novamente. Acontece que a variedade de aromas é imensa, e certamente alguma nuance irá lhe agradar. Simplesmente arranque as mudas e plante uma nova variedade. Mesmo que demore para você se encontrar com sua sálvia favorita, ela ainda pode ser muito útil, por suas indiscutíveis qualidades como medicinal. Um chá de sálvia tem a reputação de ser uma panacéia para todos os males e, apesar de que grande parte da reputação atribuída a sálvia ser verdade, ela não tem tantos poderes assim. Mas vale a tentativa, no mínimo uma xícara de chá quente é sempre reconfortante. Na cozinha, ela é comumente utilizada para temperar pratos de carnes de boi, caça, frango, perú, leitão e cordeiro, em cozidos ou assados, conferindo sabor intenso. Ela também é aproveitada para aromatizar queijos, saladas, batatas, sopas, licores, vinagres, azeites, embutidos e uma infinidade de preparações. No jardim, ela é ideal para perfumar caminhos, sendo plantada como bordadura ou maciço, em jardins aromáticos ou clássicos europeus, como os jardins de estilo italiano e inglês. Pelo aroma e textura peculiar de suas folhas, ela também é uma planta de eleição em jardins destinados a estimular os diferentes sentidos, os chamados “jardins sensoriais”.

Flores da Sálvia. Foto de Xavier Béjar
Flores da Sálvia. Foto de Xavier Béjar
Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia sombra, em solo preferencialmente drenável, neutro a levemente alcalino e enriquecido com matéria orgânica. Irrigue regularmente nos primeiros meses após o plantio. Depois de bem estabelecida convém espaçar as regas ou deixar apenas por conta da natureza. Resiste ao frio, mas não tolera locais com inverno demasiadamente frio e úmido ao mesmo tempo. Apesar de perene, com o passar do anos, perde o vigor a beleza, ficando suscetível à doenças e com a ramagem desfolhada. Por este motivo o replantio a cada 3 ou 4 anos se faz necessário. Fertilize após cada colheita e pode depois da floração. Multiplica-se por estacas ou sementes, postas a germinar em qualquer época do ano. A germinação ocorre entre 7 a 14 dias após a semeadura. Transplante as mudas para canteiros bem preparadas com esterco curtido, NPK e calcário. Em áreas com tendência à umidade excessiva, recomenda-se fazer canteiros elevados para favorecer a drenagem.

Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.

Medicinal:

  • Indicações: Dismenorréia, depressão, cansaço, azia, bronquite, flatulência, diabetes, afeçções digestivas e biliares, estomatite, reumatismo, vômitos, tosse, menopausa, gengivite, ferimentos, inflamações, infecções nas mucosas, asma, mal de Alzheimer, hiperlipidemias, febre
  • Propriedades: Antiespasmódica, Estimulante, Tônica, Antioxidante, Ansiolítica, Calmante, Carminativa, Emenagogo, Hemostática, Antiséptico, Anestésico, Cicatrizante
  • Partes Utilizadas: Folhas e flores

Conte-nos sua experiência sobre o assunto deste artigo