Planta-jarro – Nepenthes spp

 Nepenthes spp, Planta-jarra, Planta-de-jarro, Nepentes

Foto: David Hill

Planta-jarro é o nome popular dado às plantas pertencentes ao gênero Nepenthes. Elas são plantas carnívoras, em sua grande maioria trepadeiras ou epífitas, cultivadas em todo o mundo por aficionados e colecionadores e que, ultimamente tem se popularizado ganhando os jardins comuns. Elas perfazem cerca de 100 espécies e são originárias de diferentes regiões tropicais do velho mundo, notadamente da Ásia e Oceânia. Atualmente, no entanto, há centenas de híbridos e variedades, com grandes variações nas cores, formas e tamanhos, para satisfazer todos os gostos. Podemos dividir as plantas-jarro em dois principais grupos, as de terras altas, que crescem em regiões montanhosas e preferem noites frescas, e as de terras baixas, que apreciam muito o calor e a umidade. Os híbridos mais comuns são oriundos de espécies de terras baixas, por serem mais fáceis de cultivar. Entre os híbridos e variedades mais comuns e boas para os iniciantes estão: híbridos de N. alata, N. ampullaria, N. khasiana, N. ventricosa, N. alba, N. gracilis, como N. x mixta, N. x ventrata, N. x superba, N.x wrigleyana, por exemplo.

As plantas jovens e as que não são trepadeiras formam delicadas rosetas, enquanto que as plantas trepadeiras podem desenvolver caules longos e lenhoso. Suas folhas são grandes, elípticas na base (pecíolo laminar), mas em sua ponta se desenvolve uma fina haste, semelhante a uma gavinha, que termina em um curioso jarro bojudo e muitas vezes colorido. Este jarro, chamdo de ascídio, nada mais é do que a folha modificada, de forma a criar uma inteligente armadilha para pegar insetos e pequenos vertebrados. Em seu interior ele apresenta uma pequena quantidade de líquidos, com enzimas próprias para digerir suas presas. No topo, pode-se observar uma espécie de tampa, geralmente em cores vibrantes, que produz néctar e além de atrair os insetos, serve para evitar que caia água das chuvas no interior do jarro, diluindo os sucos digestivos. Por dentro, eles são cerosos e recobertos por pelos recurvados, que impedem que o inseto capturado escale o jarro para sair. Na espécie Nepenthes rajah, uma das maiores do gênero, os jarros chegam a ter 4 litros de volume e em seu interior não é raro encontrar restos de passarinhos, anfíbios ou pequenos roedores. A floração das Nepenthes é bastante incerta quanto à época do ano, o que pode dificultar os trabalhos de polinização. A inflorescência surge em racemos ou panículas, com pequenas flores apétalas. Sabe-se que os sexos são separados (planta dióica), e é necessário que ambos os sexos floresçam ao mesmo tempo para que a fertilização possa ocorrer. A polinização pode ser realizada artificialmente por meio de um pequeno pincel. O fruto que se segue é um cápsula, deiscente, contendo numerosas sementes filiformes.

A grande maioria das espécies devem ser cultivadas sob intensa luz difusa, em substrato próprio para carnívoras desta espécie, usualmente misturas com esfagno, turfa, perlita, casca de pinus, vermiculita, fibra de côco, carvão e pedras, com um pH final de 6. A irrigação deve ser bastante frequente, de forma que os substrato seja mantido úmido, sem no entanto encharcar a planta por períodos prolongados. A elevada umidade ambiental também é de extrema importância no manejo da planta-jarro. Enriqueça a umidade colocando o vaso da planta sobre uma prato com pedras, mantido com água. Pulverizações de água sobre as folhas e jarros, são igualmente úteis. A água deve ser reduzida em minerais, portanto o ideal é utilizar água das chuvas na irrigação das Nepenthes. Jarros sem o colorido, indicam pouca luminosidade. Evite no entanto, que eles peguem a luz solar direta, pois pode provocar queimaduras. A própria captura de pequenos insetos é o suficiente para nutrir as plantas, mas alguns jardineiros gostam de aplicar adubos próprios para orquídeas, com bons resultados. Não tolera salinidade, alcalinidade, frio intenso ou geadas.

As plantas-jarro comumente são cultivadas em vaso sendo ideais para o cultivo em interiores, próximo a janelas bem iluminadas. Eles são graciosos e adicionam um certo exotismo oriental ao ambiente. Plante-os sempre em vasos bonitos, mais largos que profundos. É cada vez mais frequente também o seu uso em jardins verticais, devido às condições de umidade e luz próprios destes jardins, que tornam um ambiente propício ao cultivo de Nepenthes.

O transplante pode ser efetuado quando as plantas estiverem muito grandes para o vaso, ou quando nota-se que o substrato está esgotado. Deve-se ter muito cuidado com as delicadas raízes durante o transplante e é normal as plantas se ressentirem um pouco após a operação. Prefira transplantar as plantas-jarro para vasos de barro ou cerâmica. Multiplica-se por sementes recém colhidas e semeadas em esfagno, sendo que as plantas de terra altas, apreciam temperaturas entre 10 e 21°C para germinar, enquanto que as de terras baixas, preferem temperaturas entre 25 e 27°C. Para cultivadores menos experientes é mais fácil propagá-las por estacas de ramos e folhas, além de alporquia.

Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.

Conte-nos sua experiência sobre o assunto deste artigo

  • Adriano P.

    Ola muita boa a material Tenho a oportunidade de tratar uma especie nepenthes e conforme ela ia crescendo eu ia aumentando uma haste de apoio . Minha surpresa foi que comprei esta planta em um mercadao na Regiao de Cotia e esta planta tinha em torno de 50cm com apenas 8 meses ela esta com 2,6 metros com uma haste na ponta totalmente Florida e a base desenvolvel em torno de umas 15 a 20 Novas hasten todas com muitos jarros. Hoje terei que aumentar o tamanho do vaso passando para vaso número 35. Apenas coloco água e auxílio a planta com haste onde ela trepa e se desenvolve.