Kiri-japonês – Paulownia tomentosa

O kiri-japonês é uma árvore decídua, pioneira, de sombra farta e florescimento ornamental. Ela é originária da China, Coréia e Japão e se difundiu pelo mundo pelas suas qualidades paisagísticas. Seu nome científico é uma homenagem à princesa Ana Pavlovna, filha do Czar Paulo I da Rússia. Seu porte é considerado médio, atingindo de 10 a 25 metros de altura. As raízes são superficiais e muito fortes, e a planta pode emitir novos rebentos a partir dela. As folhas são grandes, verdes claras, alternas, longo-pecioladas e em formato cordiforme a ovado. As inflorescências surgem na primavera, com a árvore ainda despida de folhas, e são grandes panículas terminais carregadas de flores. As flores são hermafroditas, tubulares, perfumadas, pendentes, de cor lilás e semelhantes na forma às flores da dedaleira (Digitalis purpurea). O fruto que se segue é uma capsula oval, persistene, seca e deiscente, de cor marrom quando maduro e contém numerosas sementes pequenas e aladas.

Frutos do Kiri. Foto de Huhulenik
Foto de Huhulenik
De crescimento veloz, porte elegante e floração abundante, o kiri-japonês é uma espécie muito interessante no paisagismo, principalmente quando o tempo de formação do jardim é um fator importante. Sua folhagem produz boa sombra no verão e, após a queda das folhas no inverno, ela permite a passagem da luz solar. Utilize-a isolada, como destaque – mostrando a variação das estações – ou em pequenos bosques, conjuntos ou renques, formando belas alamedas. Há que se atentar, porém, que sua madeira é leve e um tanto frágil, estando sujeita a quebra e queda dos ramos em locais sujeitos a ventos fortes. Além disso, é conhecida por ter raízes agressivas, que podem invadir canteiros vizinhos e causar problemas em construções. Por este motivo, o plantio em calçadas e jardins pequenos não é recomendado. Curiosidade: É um tradição chinesa plantar um kiri quando nasce uma criança.

O tronco e ramagem do kiri. Foto de Liné1
Foto de Liné1
Deve ser cultivada sob sol pleno, em solos profundos, não arenosos, preferencialmente enriquecidos com matéria orgânica e irrigados no primeiro ano de implantação. Após este período as regas podem ser deixadas por conta das chuvas e depois de bem estabelecida ela é muito resistente à estiagem. Tolerante ao frio invernal, geadas e poluição ambiental. Resistente também a incêndios, rebrotando com vigor a partir de suas raízes. As podas anuais, realizadas sempre após o florescimento, estimulam intensas florações no ano seguinte e ajudam a controlar o porte e a forma da árvore. Multiplica-se por estaquia, alporquia e por sementes. As sementes devem ser colhidas dos frutos já secos, quando estão iniciando a abertura natural.

Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.

Alerta:

Esta espécie se dispersa e multiplica facilmente por sementes e pode se tornar invasiva em determinadas situações.

One comment on “Kiri-japonês – Paulownia tomentosa

Conte-nos sua experiência sobre o assunto deste artigo

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *