Guajuvira – Patagonula americana

A guajuvira é uma árvore ornamental, nativa dos estados do sul e do sudeste do Brasil e que vêm sendo utilizada na recuperação de áreas degradadas, como espécie pioneira. Ela apresenta altura de 10 a 25 metros, com cerca de 75 cm de diâmetro de tronco e copa piramidal. Suas folhas são elípticas, coriáceas (textura de couro), glabras (sem pêlos), verde-escuras, simples, curto-pecioladas e com margens serrilhadas. As inflorescências, do tipo panícula terminal, reúnem flores tubulares, brancas, muito perfumadas. A floração ocorre na primavera. Os frutos são cápsulas secas e subglobosas que surgem logo após a floração e são naturalmente distribuídos pelo vento.

A guajuvira é uma árvore elegante, decídua, de folhas pequenas e floração decorativa. No paisagismo, quando plantada isolada, sem o sombreamento da mata, ela desenvolve-se com múltiplos caules, desde o solo. Seu crescimento é lento, característica comum a árvores com madeira de boa qualidade. A madeira da guajuvira é escura, densa, pesada, dura, mas apresenta elasticidade e é fácil de trabalhar. É também muito durável, podendo ficar exposta a intempéries e até mesmo submersa ou enterrada. Ela é aproveitada em construções, em vigas, moirões e no fabrico de cabos de ferramentas.

Deve ser cultivada sob sol pleno, em solo fértil, profundo, úmido, enriquecido com matéria orgânica e irrigada regularmente por pelo menos um ano após o plantio no local definitivo. Não tolera solos secos ou encharcados. Freqüentemente acometida por erva-de-passarinho. Multiplica-se por frutos(sementes), colhidos quando estiverem ficando amarronzados e semeados logo após a colheita. Germina em 15 a 20 dias.

Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.

Conte-nos sua experiência sobre o assunto deste artigo