Ficóide – Dorotheanthus bellidiformis

O ficóide ou tapete mágico é uma planta herbácea, anual e muito florífera, originária da África do Sul, onde é encontrada nas planícies de Namaqualand a Stilbaai no Cabo Ocidental, formando lindas composições com outras flores nativas, em extensos tapetes coloridos naturais, que se tornaram verdadeiras rotas turísticas. Ela é rasteira, com folhas lanceoladas, carnosas a suculentas e recobertas com células especiais para armazenar a água, que lhes confere um brilho e textura únicos, como uma fina camada de gelo granular, e rende apelidos tais como “fábrica-de-gelo”. Diz-se que essas folhas são comestíveis e podem substituir o espinafre em receitas. Floresce na primavera e verão, despontando numerosas inflorescências, solitárias, do tipo capítulo, semelhantes a margaridas. Elas se fecham sob condições adversas, como chuvas, à noite e em dias nublados, abrindo apenas sob o sol. As cores vivas e brilhantes, em degradeé da borda para o centro das inflorescências, dá um efeito verdadeiramente luminoso. As palavras “neon” e “quase iridescente”, são comumente utilizadas para descrever a sensação das cores. Os frutos que se formam em seguida apresentam cinco valvas, que se abrem liberando as sementes assim que amadurecem e secam. Há muitas variedades de ficóide, com flores de cores diversas, como amarelo, vermelho, roxo, rosa, branco, etc, mas é mais fácil encontrá-la em misturas de híbridos coloridos.

Uma plantinha que se encaixa em qualquer espaço, muito versátil e fácil de cultivar. Ideal para compor longos maciços de flores, ou como forração mesmo, sob o sol. Encaixa-se perfeitamente em vãos de escada, de muros ou em jardins pedregosos, crescendo entre as fendas. Em vasos e jardineiras, podemos criar lindos efeitos de cascata, com flores se derramando além da borda. Para um efeito ainda mais especial podemos misturar as sementes de ficóide com as de onze-horas, na formação de maciços e forrações. O efeito resultante é simplesmente estonteante, trazendo um pouco das planícies de Namaqualand para o seu jardim! Também é bastante atrativa para borboletas.

Foto de Chris Ibbotson
Deve ser cultivada sob sol pleno, em solo drenável, fértil e enriquecido com matéria orgânica, irrigado regularmente. Tolera solos pobres, arenosos e pedregosos, além de curtos períodos de estiagem, mas não resiste ao encharcamento. Adapta-se ao solo salino de regiões litorâneas. Multiplica-se por sementes, postas a germinar em solo mantido úmido, coberto com uma fina camada de composto. Germina em uma a duas semanas. Transplante as mudas quando elas tiverem cerca de 10 cm de altura ou cerca de cinco semanas após a germinação. Não demore a transplantar pois essa espécie se ressente bastante quando suas raízes são perturbadas.

Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.

Conte-nos sua experiência sobre o assunto deste artigo