Dendróbio-de-capuz – Dendrobium aphyllum

 Dendrobium aphyllum, Orquídea-das-fadas

Foto: Tim Waters

O dendróbio-de-capuz é uma orquídea simpodial, epífita ou litófita, decídua e muito florífera, que encanta a todos que a conhecem. Ela apresenta pseudobulbos afilados, cilíndricos, avermelhados, recobertos por uma película papirácea e transparente, pendentes e muito longos, podendo alcançar 2 metros de comprimento. Suas folhas são verde brilhantes e aparecem apenas durante o crescimento dos pseudobulbos, caindo no período do inverno. Assim, ela é curiosamente, uma orquídea decídua, que mantém os pseudobulbos antigos saudáveis por muito tempo. Floresce na primavera, estando a planta despida de folhas e com aspecto que engana os desavisados, que muitas vezes podem pensar que trata-se de uma planta artifical ou que ela está morta ou doente. A floração é curta porém abundante e espetacular, com os pseudobulbos carregados desde à base. As flores apresentam a cor rosa desbotada, com o labelo na cor branco-creme e em forma de trombeta, com veios rosados e finamente franjados em sua borda. Além da forma típica, ocorrem naturalmente outras duas variedades, uma suave, com flores de cor quase branca e outra mais intensa, com flores de cor rosa-escuro, quase violáceo.

No paisagismo e na decoração, o dendróbio-de-capuz merece ser valorizado por seu caráter pendente. Ele pode ser plantado em cestas e jardineiras suspensas ou fixado nos ramos altos de uma árvore. A delicadeza das cores suaves, tanto dos pseudobulbos nus, quanto das flores delicadas, remete a um certo romantismo bucólico. Assim, é ideal para acrescentar charme a ambientes com decoração provençal ou campestre.

Deve ser cultivado sob meia sombra ou luz difusa, em substrato próprio para epífitas, composto geralmente de fibra e casca de côco, casca de pinus, pedra britada, esfagno, etc. A drenagem dos vasos deve ser perfeita e as regas frequentes, sendo reduzidas no inverno. O sombreamento ideal indicado para a espécie é de 50 a 60%. Fertilize apenas durante o crescimento, ela não aprecia adubos enquanto estiver sem folhas, no inverno. Diferente do manejo do dendróbio-comum (Dendrobium nobile), não é indicado remover os pseudobulbos velhos desta espécie, pois estes tendem a florescer sucessivamente, ano após ano. Multiplica-se por separação dos keikis que se formam com facilidade e por divisão da planta, permanecendo cada muda com pelo menos quatro pseudobulbos, rizoma e raízes, além de um broto guia.

Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.

Conte-nos sua experiência sobre o assunto deste artigo