Cedrinho – Cupressus lusitanica

 Cupressus lusitanica, Cedro, Cedro-de-goa, Cedro-de-portugal, Cedro-do-Buçaco, Cipreste, Cipreste-de-bentham, Cipreste-de-lindley, Cipreste-de-portugal, Cipreste-mexicano, Cipreste-português, Pinheirinho

Foto: Juan Rejas

O cedrinho é uma árvore de copa piramidal a colunar muito utilizado na ornamentação urbana, principalmente podado, adquirindo porte arbustivo, para uso em sebes. Apesar do nome popular “cedrinho”, é na verdade um cipreste. Sem podas alcança de 20 a 30 metros de altura. Suas folhas são em escamas, ovaladas, acuminadas, aromáticas, perenes e de cor verde-acinzentada. Por se tratar de uma espécie monóica, apresenta flores masculinas e femininas na mesma planta. As inflorescências femininas são cones globosos e axilares, enquanto que as masculinas são cones cilíndricos e terminais. Os frutos apresentam 6 a 8 escamas apiculadas e têm cor cinza-esverdeada quando imaturos, sendo que à medida que amadurecem se tornam marrons. As sementes são marrons, pequenas e aladas.

Esta é uma bela conífera para praças e parques, onde a forma natural de sua copa pode se desenvolver plenamente e ser apreciada. Mas a natureza fez este cipreste versátil, de ramagem ramificada, densa e tolerante à podas, na medida para a formação de ótimas cercas-vivas. Além disso, é também bastante apropriado para a formação de quebra-ventos em fazendas, onde protege cultivos e criações. Produz madeira clara, leve e de baixa densidade, porém de textura fina e alta estabilidade dimensional (não encolhe, empena ou racha). Ao contrário do alburno, o cerne apresenta excelente durabilidade, o que justifica seu uso em aplicações nobres como na indústria naval e moveleira.

Deve ser cultivado sob sol pleno, em solo permeável e irrigado periodicamente nos primeiros anos após implantação. Planta tropical de altitude, aprecia o clima ameno, a umidade ambiental e não é indicado para regiões litorâneas ou de altitude menor que 600 metros. Rústico, vai bem em solos pobres, rasos ou erodidos e é tolerante a poluição, ventos e períodos curtos de estiagem. Não resiste ao frio intenso. Multiplica-se por sementes.

Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.

3 comments on “Cedrinho – Cupressus lusitanica

  1. Eu plantei cedrinho como cerca viva na minha propriedade. Foram 180m de cerca vida. Plantei 4 mudas por metro. Em 2 anos eu tinha uma cerca de mais de 2m de altura muito linda. Deixei crescer até 4m e formei uma muralha. No entanto, ao fazer uma poda de manutenção para baixar a altura para cerca de 2,5m meu jardineiro cortou muito os ramos laterais. Fiquei com uma cerca viva sem brotação por um bom tempo. A parte superior ainda apresentava folhas e brotos novos, mas na parte inferior só havia o tronco principal e galhos secos. Algumas árvores secaram e morreram em podas posteriores e agora estou tentando recuperar após quase 5 anos de plantadas, pois algumas ainda não brotaram na parte inferior. Acredito que a melhor maneira de ter uma cerca viva de cedrinho seria definir a altura final que quer deixar sua cerca viva e sempre aparando a gema apical de cada árvore para ela não crescer demais e engrossar muito seu tronco principal. Isso deverá estimular a brotação lateral e ir alargando ela até o ponto desejado. A partir daí, sempre manter na largura desejada e podar umas 3x ao ano para manter a forma, pois é uma especíe de crescimento rapido e em 4 meses já há muitos ramos novos, tirando-a da forma desejada.

  2. Olá, alguém sabe me explicar porque não é indicado para regiões litorâneas ou de altitude menor que 600 metros? Tínhamos uma na casa da minha mãe, no litoral de SP. Foi bem por anos, até atingir cerca de 3m de altura. Ai estabilizou nesta altura por um tempo. Depois de uns dez anos ou mais, começou a secar e morreu. Pensamos na possibilidade das raízes terem atingido o solo pantanoso, com água salobra e muito barro que tem aqui no litoral abaixo da primeira camada de areia. Quando cavamos cerca de um metro já achamos este solo, é uma pasta preta e com cheiro não muito agradável, solo de manguezal. Minha mãe também acha que um chifre de veado colocado no tronco dela pode ter matado a árvore, mas eu acho pouco provável. Se alguém puder ajudar com informações, eu agradeço. obrigado

Conte-nos sua experiência sobre o assunto deste artigo

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *