Buriti – Mauritia flexuosa

O buriti é uma palmeira dióica, aquática, muito frutífera e ornamental, que apresenta uma íntima relação com a água durante o seu desenvolvimento. Ele caracteriza uma formação única do cerrado, as veredas, que são áreas localizadas em vales, bastante encharcadas, com nascentes ou cursos d’água, onde pode-se obter sempre passagem e água limpa. O buriti apresenta estipe único, ereto, anelado, com diâmetro de 30 a 50 cm e casca lisa. Seu porte é elevado para uma palmeira, alcançando entre 2,8 a 35 metros de altura. Ele possui raízes aéreas especiais, denominadas pneumatóforos, que são capazes de trazer oxigênio para áreas brejosas. Suas folhas são costopalmadas, verde-escuras, brilhantes, grandes, sustentadas por fortes pecíolos e dão à coroa um belo formato arredondado. São também bastante persistentes, e mesmo secas, permanecem um bom tempo unidas ao caule. As inflorescências surgem o ano todo, nos espaços interfoliares e são do tipo panícula, longas, cheias e pendentes, como cabeleiras, de cor creme amarelada. Como é uma palmeira dióica, somente nas fêmeas veremos os frutos, mas precisamos de indivíduos machos para que ocorra a polinização. Os frutos são drupas alongadas, elipsóides a oblongas, de cor castanha e recobertas por escamas brilhantes. Elas possuem uma polpa alaranjada e carnosa e geralmente apenas uma semente, muito dura. Cada buriti produz de 5 a 7 cachos por ano, com mais de 700 frutos cada. A dispersão é feita pela água e por araras.

O buriti é umas das palmeiras mais abundantes do Brasil, mesmo assim ela ainda é pouco aproveitada em projetos de paisagismo e de recuperação ambiental, talvez pelo seu crescimento, que é relativamente lento. Apesar disso, é uma espécie das mais elegantes e rústicas, e foi bastante valorizada por Burle Marx. Por ser capaz de agregar o solo e conservar a água, sua presença é importante em áreas de reflorestamento, principalmente na recuperação e manutenção de olhos-d’água, margens de rios e lagos, e áreas encharcadas. Além disso, fornece abrigo e alimento a uma grande variedade de espécies animais, como araras, morcegos, primatas, capivaras, cutias, etc.

Não obstante todas as suas qualidades paisagísticas e ecológicas, do buriti tudo se aproveita. O fruto é rico em vitaminas e outros nutrientes e pode ser consumido in natura ou em diversas preparações como sucos, sorvetes, picolés, doce em pasta, sobremesas e até mesmo vinho. Dele se extrai um óleo comestível, muito perfumado e medicinal, que é utilizado na indústria de produtos de higiene, perfumaria e cosméticos. Das folhas, costuma-se fazer cobertura para casas, cestarias, artesanato e das bem jovens, obtém-se o capim-dourado, utilizado na confecção de lindas bijouterias e jóias. Os troncos são ainda aproveitados na construção civil, como vigas e e dos pecíolos se faz artesanato e caixotes. Seu palmito é comestível também e dele se extrai uma fécula amilácea, a exemplo do sagu indiano.

Deve ser cultivada sob sol pleno, em solo fértil, enriquecido com matéria orgânica e mantido úmido. O ideal é cultivar essa palmeira próximo a áreas alagadas, lagos ou cursos d’água, pois é muito exigente em água. Pode vegetar em áreas drenadas, mas nestas situações precisa receber irrigação abundante durante o crescimento. Apesar de ser utilizada na recuperação de áreas degradadas, é importante observar que essa palmeira é sensível ao assoreamento, definhando rapidamente se houver grande e súbita deposição de sedimento sobre suas raízes. Multiplica-se por sementes despolpadas, colhidas de frutos maduros, e postas de molho para quebra de dormência. Semear em substrato rico em matéria orgânica e mantido úmido. A germinação ocorre em cerca de 75 dias.

Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.

Medicinal:

  • Indicações: Verminoses, Fraqueza geral, Feridas, Cegueira-noturna, Queimaduras
  • Propriedades: Vermífugo, energético, cicatrizante, protetor solar, rico em vitamina A
  • Partes Utilizadas: Frutos

Conte-nos sua experiência sobre o assunto deste artigo