Ameixa-de-natal – Carissa macrocarpa

A ameixa-de-natal é um arbusto denso, perenifólio e frutífero, nativo da província de KwaZulu-Natal, na costa oriental da África do Sul. Ele pode alcançar cerca de 6 metros de altura, formando uma arvoreta, embora a maioria das plantas cultivadas não passe de dois metros, mantendo o porte arbustivo. Os ramos são lenhosos, densamente ramificados e espinhentos, com característicos espinhos em formato de forquilha ou “Y”. Ao corte, os ramos revelam uma seiva leitosa. As folhas são ovadas, verde-escuras, brilhantes, de textura coriácea e opostas. Em climas com estações mais marcadas, como no sul do Brasil, floresce na primavera e verão, já em regiões mais tropicais, acaba por florescer durante o ano todo. As flores são brancas a rosadas, pentâmeras, com pétalas cerosas e tem um aroma delicioso que lembra flor-de-laranjeira e jasmim, e fica mais intenso à noite. Elas são atrativas para borboletas.

Ameixa-de-natal “Variegata”. Foto de Forest & Kim Starr
Os frutos que se seguem são bagas carnosas, doces e suculentas, de casca e polpa vermelha. Diz-se que o sabor assemelha-se a morangos e cramberries. Eles são ricos em Vitamina C, magnésio e fósforo e podem ser consumidos in natura ou na forma de sucos, geléias e como frutos desidratados. Dentre as diversas cultivares podemos citar a “Variegata”, com folhas variegadas de branco e creme, “Nana”, “Boxwood Beauty” e “Bonsai”, de porte anão e, “Horizontalis” e “Prostrata”, de folhagem rastejante.

No jardim, a ameixa-de-natal reúne as principais qualidades do arbusto perfeito para cercas vivas. Além de tolerar podas de formação, é muito fácil mantê-lo com um determinado formato. Possui folhagem densa e espinhos que dão privacidade e desencorajam invasores. Por fim, ainda nos presenteia com flores perfumadas e frutos praticamente o ano todo. É de baixa manutenção, que consiste em podas e fertilizações semestrais.

Bonsai de Ameixa-de-natal. Foto de Pierre Selim
Pode ser utilizada isolada, em grupos ou renques. Para a formação de cercas-vivas defensivas, recomenda-se plantar com espaçamento de um metro. As variedades anãs e rastejantes são próprias para uso como forração ou bordadura. No entanto há que se ter cuidado com ramos ladrões que, se não podados, acabam revertendo para as características da espécie. Evite o plantio da ameixa-de-natal em locais de passagem e tráfego de pedestres, como passeios por exemplo, pois os espinhos podem ferir os transeuntes. Pode ser plantada em vasos e jardineiras. Também presta-se muito bem para a arte do bonsai, com destaque para as variedades “Bonsai” e “Horizontalis”.

Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia sombra, em qualquer tipo de solo, preferencialmente drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente durante os primeiros anos de implantação. Após o pleno estabelecimento, a planta torna-se tolerante a curtos períodos de estiagem. Apesar de vegetar em condições de meia sombra, apenas forma densos arbustos e produz abundância de flores e frutos sob sol pleno. Sob meia sombra convém conduzi-lo como arbusto informal, ou mesmo uma pequena arvoreta, pois sua ramagem fica mais esparsa. É bastante adaptado a condições de salinidade, podendo ser utilizado com sucesso em jardins litorâneos. Resiste ao frio e geadas leves, típicas de clima subtropical. Multiplica-se por sementes, mas principalmente por estaquia dos ramos, preservando assim as características da cultivar mãe.

Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.

Alerta:

Apesar de possuir a seiva leitosa, o que muitas vezes dá a suspeita de se tratar de uma planta muito tóxica, a ameixa-de-natal apresenta baixa toxicidade. Use luvas grossas ao manipular ou podar a planta, evitando ferimentos devido aos espinhos.

Conte-nos sua experiência sobre o assunto deste artigo