Ajuga – Ajuga reptans

 Ajuga reptans, Ajugaíba, Búgula, Consolda-média, Erva-de-são-léo, Erva-de-são-lourenço, Erva-férrea, Jujuba, Língua-de-boi

Foto: Haledavid

A ajuga é uma planta herbácea, estolonífera e reptante, muito utilizada como forração e conhecida popularmente como medicinal. Suas folhas são ovaladas, basais, pubescentes, com margens dentadas, ou levemente lobadas e nervuras bem marcadas. A folhagem é o grande atrativo desta planta, sua textura é média e as cores são muito variadas, de acordo com a cultivar. As cultivares mais comuns são: “Purpurea” (folhas bronzeadas a violáceas), “Multicolor” (com pintas coloridas) e “Variegata” (de cor verde escura, com margens de cor creme ou branca).

As flores da ajuga, apesar de terem importância ornamental secundária, podem se muito decorativas na primavera, geralmente azuis ou violáceas, elas surgem em inflorescências do tipo espiga e são muito atrativas para borboletas, abelhas e mamangavas. Ocorrem ainda variedades com flores róseas, avermelhadas e brancas. Produz pequenas sementes marrons no verão.

A ajuga é uma forração muito rústica e bonita, ideal para as áreas sombreadas e semi-sombreadas, onde geralmente o gramado e as flores não se adaptam. Ela gosta de locais frescos, ventilados e pode ser plantada em vasos e jardineiras. Sua textura e cor, aliados às suas necessidades, a tornam uma ótima planta para jardins de pedra também, valorizando o paisagismo.

Deve ser cultivada sob meia-sombra ou sombra, em solo fértil, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente. Aprecia o frio subtropical. Não tolera o calor excessivo ou pisoteio. Sob sol pleno, fica com as folhas pequenas e muitas vezes queimadas, mas floresce com mais abundância. Pode se tornar invasiva em algumas situações. O ideal é que seja plantada em canteiros com delimitadores subterrâneos. Multiplica-se por sementes, estacas e mais facilmente por divisão das mudinhas que se formam nos estolões, entorno da planta mãe.

Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.

Conte-nos sua experiência sobre o assunto deste artigo

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *