10 Segredos no Cultivo de Bromélias

As bromélias são plantas muito rústicas que conferem um exotismo tropical inigualável, com suas cores vivas e formatos geométricos. No entanto, temos que nos atentar a alguns cuidados básicos para que elas possam desenvolver todo o seu potencial. Preste atenção às preciosas dicas abaixo para aperfeiçoar a forma de cuidar dessas raras jóias da natureza.

Existe canteiro com mais forte apelo tropical que essa belezura cheia de bromélias? Foto de Alejandro Bayer Tamayo

1. Ela não está doente!

É bastante comum e desesperador aos iniciantes no cultivo de bromélias, observar suas plantas definharem aos poucos no instante seguinte a floração. Logo vem a mente pensamentos negativos, como: – O que foi que fiz de errado desta vez? Mas não se engane e aguente firme para não colocar sua planta no lixo. É perfeitamente normal a grande maioria das espécies de bromélia, esse fenecimento após a floração. Trata-se do seu processo natural. E fique de olho na sua planta, se ela foi bem cuidada e permanece assim, logo emitirá novos brotos garantindo a perpetuação da espécie. Continue a lhe dedicar todo seu amor, que ela ainda poderá lhe render muitas e muitas plantas novas.

2. Tenha paciência

Planta mãe e suas mudas. Já está na hora de desmamar! Foto de Maja Dumat
Você acaba de descobrir que sua bromélia favorita está emitindo uma nova muda. Que alegria! Muito em breve você poderá destacar essa muda e plantá-la em um vaso próprio. Mas tenha calma, é preciso que a nova muda tenha de um terço a metade do tamanho da planta mãe, antes de ser removido. Esse detalhe é importante para garantir o desenvolvimento da muda, que enquanto está junto com mãe, cresce mais depressa e forte. Mas não deixe passar muito tempo. Se deixada, ela tende a crescer torta e pode ser difícil endireitá-la depois, além de que suas folhas podem danificar a planta mãe, por ocuparem o mesmo espaço.

3. Água e mais água

O “copinho” da bromélia deve estar sempre cheio! Foto de Alejandro Bayer Tamayo
Bromélias são plantas tropicais por excelência, e como tal, em sua maioria apreciam o calor e a umidade. Irrigue-as regularmente, sem que as raízes fiquem encharcadas, e molhe-as no centro também, pois apreciam que a água acumule na sua roseta central. Essa água suplementar tem muitas funções. Uma delas é propiciar a decomposição de detritos que caem no interior da roseta das bromélias. Pequenas folhas secas, bichinhos mortos, fezes de passarinhos, todas essas coisas acumulam ali, e vão se decompondo lentamente, servindo como um excelente adubo foliar orgânico para a planta. Este “copo” central formado nas bromélias, também tem um importante papel ecológico, podendo ser abrigo e criatório para pequenos seres, como rãs por exemplo.

4. Mantenha a dengue longe das bromélias

O mosquito da dengue gosta de água limpa para se reproduzir, e as bromélias gostam de água no interior de suas rosetas, como resolver essa equação? Ninguém disse que a água das bromélias deve ser limpa, assim, mantenha a água suja, com detritos, como pó de café ou chá, que favorecem a adubação da planta e afungentam os mosquitos.

5. Sou sensível!

Um vaso de plástico e uma bromélia que cresceu de lado. Uma receita para quedas frequentes. Foto de Raquel Patro
Bromélias possuem folhas super absorventes, muitas delas, se alimentam mais pelas folhas do que pelas raízes. Isso é uma grande vantagem, permitindo lindos resultados com uma boa adubação foliar, mas ao mesmo tempo traz uma maldição. Elas são muito sensíveis aos defensivos. Assim, pense muito antes de aplicar inseticidas ou fungicidas sobre bromélias, mesmo produtos liberados para agricultura orgânica como a calda bordalesa, podem ser extremamente tóxicos. Desta forma, proteja as bromélias com lonas plásticas sempre que fizer aplicações no seu jardim. E se a aplicação for direcionada para elas, veja se vale à pena usar defensivos ou fazer a catação manual de pragas. Umas poucas lagartas, lesmas, pulgões ou cochonilhas se resolvem rapidinho com catação. Defensivos, somente em último caso.

6. Vasos: o truque

Você pode cultivar bromélias em qualquer tipo de vaso, no entanto, aqui tem um segredinho de ouro. Prefira os vasos de barro ou cerâmica, ou qualquer um que seja mais pesado que a própria planta. As bromélias nem sempre crescem retas e verticais, e muitas vezes, uma pequena inclinação no seu eixo pode provocar quedas constantes, com o peso da planta, principalmente em vasos leves de plástico. O equilíbrio é garantido em vasos de barro. Mesmo com uma planta grande e cheia de água, a chance do vaso tombar é bastante reduzida.

Mantenha suas bromélias bem identificadas. Você pode até não ser um colecionador agora, mas vai se arrepender de não ter tido esse cuidado depois que se apaixonar por elas. Foto de Conservatory Brest

7. Conheça sua bromélia

Há bromélias e bromélias, uma para cada tipo de ambiente. Parece que Deus quis colocar uma bromélia em cada ambiente possível, para que não houvessem desculpas em não usá-las. Assim, você poderá encontrar plantas próprias para lugares desérticos e ensolarados, outras para ambientes úmidos e sombreados e até umas tillândsias malucas que gostam de ficar em fios de alta tensão. Sim! Parece que a única coisa que todas elas não gostam é de frio. Por isso é importante conhecer bem a espécie ou híbrido que você está adquirindo. Para não correr o risco de queimá-las ao sol, ou fazê-las perderem suas lindas cores na sombra. Anote o nome botânico de cada uma em uma plaquinha e procure saber tudo sobre ela. Seus segredos mais íntimos.

Essas Tillandsias são provas vivas de resistência vegetal. Crescem felizes sobre fios eletrificados. Foto de Roberto González

8. Mudanças devem ser graduais

Você acabou de descobrir que aquela bromélia que você ganhou da sua vó é de sol, e você já tinha deixado ela na sombra há meses. A coitada ficou esverdeada e nada de florescer. Que bom! Você já descobriu o problema, mas vá com calma, nada de mudanças bruscas. A planta já está super adaptada às condições de sombra. Colocá-la ao sol vai matá-la rapidamente. Comece expondo ela a luz da manhã, e a cada semana deixe-a pouco a pouco mais tempo. Assim você dá tempo de ela se adaptar e criar os pigmentos que servirão como protetor solar.

9. Sou pouco exigente quanto ao substrato

Bromélias muitas vezes parecem que tem raízes apenas para fixação, e em muitas espécies isso é fato, mas a verdade é que a grande maioria delas não é muito exigente quanto ao substrato. Assim, não precisa ficar muito neurótico com misturas perfeitas. Tenha em mente, que a grande maioria das bromélias vivem bem em uma mistura de esfagno ou fibra de côco, misturados com areia e um pouco de terra vegetal. É importante que seu substrato seja drenável e também tenha capacidade de reter água, de forma que ele auxilie na manutenção da umidade entorno da planta.

10. Me poupe!

As folhas secas da bromélia podem ser podadas quando as plantas estão em vasos. Mas também formam uma linda saia natural. Foto de M. J. Ambriola
Evite de sobremaneira podar suas bromélias. Seu lindo formato tem muito a ver com a forma de suas folhas. Assim, antes de sair dando tesouradas, avalie se é realmente necessário e se a nova forma ficará harmoniosa. As bromélias não vão substituir folhas danificadas só porque foram podadas. Pode plantas velhas, mas que ainda fornecem mudas, para que fiquem arejadas e iluminadas, mas pode apenas folhas secas e muito danificadas. Se sua bromélia ficou com as pontas secas, reveja o seu ambiente, melhorando a umidade, ou alterando a ventilação para mais ou para menos. As folhas que ficarem velhas e caídas podem ser podadas próximo a base.

Compartilhe este artigo no Pinterest ou Facebook! Foto de SOS Curiosidades

Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.